segunda-feira, 18 de julho de 2011

Qual é a minha Missão?


por Matias de Stefano

Está pergunta está hoje na boca de todos, desde crianças até anciãos que buscam sua missão.
É um dilema que está vigente na humanidade desde seu início. Qual é o propósito da vida? Que papel eu represento nesta totalidade? Que importância eu tenho neste Universo, não obstante eu seja tão pequeno?
Todos têm um propósito… cada semente, ave, animal, cada humano, cada célula e estrela têm um propósito pelo qual existem. A própria existência é um propósito: o movimento; por mais absurdo que pareça, o propósito que temos todos juntos, é constante movimento, nunca deve deter-se, nossa própria natureza o necessita, nossos sonhos nos impulsiona nos momento que nos estancamos. Quando a vida leva alguém a uma vida monótona de dependência, da qual sabe que não é sua realidade, seus sonhos são quem mostram seu propósito.
Nossas habilidades, aquilo em que somos bons, nossos hobbies, nossas idéias, por mais loucas que sejam esses aspectos são os que estão metidos em nossa genética e personalidade, os quais nos guiam para nosso propósito individual. É preciso dar importância aquilo que sabemos e temos como habilidades, elas são o caminho para nossa realização.
 A Missão, não é um trabalho a cumprir, muitas vezes podemos acreditar que nossa missão pode ser dura, ou algo que está empacado... mas na realidade, ela é nossa própria realização como seres. No processo de realizar nossa missão, a vida nos ensina as ferramentas com as quais a alcançaremos.
Quais são essas ferramentas?
Temos dois tipos de ferramentas para conseguir o cumprimento de nossa missão? As Positivas e as Negativas. Ambas nos ajudarão.
As Positivas são as que mencionei antes: nossas habilidades, nossos hobbies, aquilo que nos agrada ou no que somos bons. Isto nos aproxima da missão, porque descobrimos que tudo o que viemos fazer ao mundo, está relacionado com o que nos faz feliz. Muitas vezes a sociedade castigará ou criticará aqueles que são felizes cumprindo com suas habilidades, posto que a sociedade capitalista ou comunista não compreende como alguém pode sobreviver sem o esforço natural ao qual o humano está submetido; a idéia sempre foi a de que se teria que trabalhar com o suor de sua fonte para conseguir algo... Porem todos nós sabíamos bem que isso é uma parte da aprendizagem, e que nosso propósito não se consegue com o suor, mas sim com alegria.
As Negativas são nossos karmas, as coisas que enfrentamos, que nos desagradam. Ter que trabalhar em lugares nos quais não encontramos o propósito, estar em ambientes com pessoas que nos depreciam ou desvalorizam, ajudar sem entender a razão, submeter-se a uma vida de constantes perdas ou separações... Todos estes aspectos negativos em curto prazo, são positivos ao longo prazo... é o que podemos chamar: a Preparação. Estar em situações difíceis, aprisionadoras, em trabalhos sem sentido, nos torna aptos para enfrentar as adversidades que compreendem nossa Missão. Devemos estar atentos a isso, pois nos servirão muito ao torná-lo consciente... pensem:  O que tiro desta situação? O que devo aprender com esta experiência? Qual a contribuição deste trabalho ou relação?
Tudo é uma aprendizagem constante e uma preparação para o cumprimento da Missão... porem o mais louco deste cumprir... é que não importa se és consciente de havê-lo feito.
Claro está que quando se é consciente de nossos propósitos, nos vemos então, em um plano mais flexível, mais sutil. Saber qual é a Missão individual é importante para nossa realização como indivíduos.
É bom saber qual é minha Missão?
Deve-se ter em conta os aspectos positivos e negativos de saber qual é a missão. O  positivo, como disse; te posiciona em um nível flexível de evolução, em que você é consciente de que tudo o que acontece o está preparando  para essa função que você veio exercer. Estás atento, e pronto para estas situações.
O lado negativo é que quando se reconhece sua missão, está pendente de sua realização… e muitas vezes isso traz problemas. Querer que aconteça já, adiantar os tempos, as ações... chega a angustia e a desesperação, pois as coisas não saem como se espera e assim, a frustração invade o corpo. Vê o contexto e enlouquece ao ver a quase impossibilidade de sua missão, e praticamente acaba por não cumpri-la.
Então… como cumpro a minha missão?
Na realidade, a Missão se cumpre muito facilmente: vivendo.
Despreocupem-se de sua missão.
Faz muito tempo, antes de nascer, todos, cada um de vocês, se reuniu com um grupo de almas, seres, guias e mestres com os quais debateram sua missão, eles estão aí para ajudá-los no cumprimento da mesma... como? Através de “deja vu”, de sinais, palavras, filmes, livros, propagandas inclusive... qual é meu ponto? É que muita gente cumpre sua Missão e morre sem saber que a cumpriu... não obstante, fez o que tinha que fazer.

A Nova Era é um fervedouro de ideais que estavam travados, mas não por haver estado no inconsciente coletivo; não se concebiam.

Nossa maior ferramenta hoje, diferentemente de antes, é que SABEMOS que existe uma Missão que  acordamos cumprir.  Coisa que antes não sabiam, no entanto, se cumpriam pelo inconsciente e subconsciente.
Não importa qual é nossa missão, o importante é estar atento aos sinais que nos guiam para o seu cumprimento.
Pensem muito bem o seguinte… existem muitos que estão se conectando ou que já estão conectados, e que entre os 5 anos e os 20 anos já sabem qual é sua missão,mas o que não sabem é que começará a concretizar-se quando tiverem seus 45 ou 60 anos de idade... Entrementes então... se frustram com a própria vida e entram na ira ou melancolia. Por isso mesmo, meu conselho é o seguinte:
Não vivemos para cumprir com nossa missão... nossa missão é viver. Desfrutem de cada instante da vida, sendo conscientes de que suas vidas são um importante elo que tem que mover. Não se detenham a observar e buscar o propósito de sua vida, simplesmente vivam, estejam atentos, e encontrem o propósito.
Seguirei insistindo:
 “…Não vivemos por nossa missão, nossa missão é viver...
...não busquem o propósito de sua vida, encontrem-no no viver...”


Nenhum comentário:

Postar um comentário